Please reload

Stella e Franco

A Stella me procurou faltando pouco mais de dois meses para o seu casamento, eles tinham o local, a data e só. Deus quis que eu tivesse a data disponível, eles iriam casar em um lugar que eu adoro o Alto da Capela, como muitos casais eles não moram em Porto Alegre e começamos a conversar via whatsapp e fui entendendo um pouquinho sobre quem eles são, e já fui me encantando e vislumbrando esse dia mágico.

 

Marcamos um café no retorno da Stella a Porto Alegre, expliquei como eu trabalho, no que acredito, os olhinhos dela literalmente brilharam, marejaram, sintonia, começamos a trabalhar!!

 

 

Eu fui perguntando o que eles gostavam, como se conheceram, como era a rotina deles,... A Stella me contou que eles moram no interior, que ambos tem a vida no campo como marcante na infância, que isso foi chave para conectá-los, que a terra, os animais, é algo que a remete a ligação com o pai também.

 

Vejam, ela não me disse tudo assim objetivamente, foram informações valiosas que fui garimpando nas nossas conversas e que mentalmente foram formando um mosaico na minha cabeça de que atmosfera tem significado para eles, que sentimentos eles gostariam de despertar nesse dia, como eles gostariam de receber os seus amigos e familiares.

 

Objetivamente a Stella só me disse que adora plantas e temperos, que gostaria de ter alecrim, e luzinhas. Aparentemente só esse era o meu briefing, mas senhoras, nesse ponto eu já tinha MUITO material de respeito, se valores e significados para explorar.

 

O conceito era fazê-los se sentir abraçados pela natureza, na sua forma mais singela e despretensiosa, era que todos os sentidos fossem ativados para que todos se sentissem abraçados como só a Stella sabe abraçar. Para isso não bastava encher de plantas o casamento, a ideia foi explorar as formas orgânicas, trazer cor sem que elas colocassem o verde como coadjuvante, texturas naturais nos tecidos, diversidade de materiais para criar aconchego, cuidado na iluminação pontual para que sua presença durante o dia não trouxesse ruído visual.

 

Duas âncoras importantes, o casamento seria 'para ontem' pois a Valen, a companheira de quatro patas estava doente, e o pai da Stella esse homem que a conectou com a natureza e que lhe deu essa conexão com seu futuro marido precisava conseguir participar no sentido amplo do termo, de entender e sentir o seu significado e valor naquele rito.

 

Os preparativos foram uma delícia, Stella generosa que só confiou muito em mim, tive carta branca o que facilitou em função do prazo restrito. Foi leve, feliz, mesmo em dois meses, juro!

 

Tínhamos um plano A, um plano B e na gaveta um C que acabou sendo o usado, acreditam? Aquele cenário já conhecido aqui em Porto Alegre de chuva e instabilidade até os 45 do segundo tempo.

 

Me digam se nas fotos vocês acreditam que foi o plano C? Como a Stella me disse, foi como tinha que ser, foi perfeito!!

 

 

 

 

 

 

O pai, senhoras. 

 

Tem como não se emocionar?

 

Reparem, a Stella foi até um ponto com o pai, depois um trajeto sozinha no qual o Franco foi até ela, e juntos foram até o celebrante. Essa configuração permitiu o encontro com o pai de forma tranquila, potente, ele caminhou com a sua filha em um ato que transbordou significado, emoção, mesmo que alguma dificuldade de mobilidade no primeiro momento pudesse indicar que isso não seria possível quando pensamos no terreno e tamanho que seria o trajeto convencional no Alto da Capela. Além disso tudo, que já seria o suficiente, o simbolismo de ir até um pergolado florido com o pai, abraçá-lo afetuosamente, seguir o seu caminho independente, feliz, por entre os vasos de alecrim que exalavam aquele aroma tão caro para Stella e ver o seu companheiro caminhando também de forma independente para que juntos os seus caminhos virassem um, aaaaahhh me digam se não é a coisa mais linda e cheia de sentido?!?!?

Vejam, ela pediu alecrins, mas não é só colocar alecrim no casamento, é pensar neles fartos ( para que o aroma exale sem precisar do contato direto) no começo da cerimônia para que ela e todos ali já tivessem esse sentido ativado remetendo a experiências e lembranças fundamentais na história deles, naquele início de tudo.

 

 

 

 

Os músicos foram um capítulo a parte. A Stella me contou que adorava um músico, que seu estilo, suas músicas eram super especiais para os dois, mas que era algo diferente do que normalmente se toca em casamentos, se era loucura, se as pessoas não iam achar estranho, feio,... Tem significado, é importante para vocês? INVISTAM!!! E o Sr.Pirisca fez TODA diferença!!

 

 

Vamos falar de decoração? Muiiitas noivas se preocupam, me perguntam, sobre as cores do casamento, a paleta, ela é importante sim, mas ela é um elemento de um conjunto que precisa ser bem mais complexo.

Notem, temos MUITAS cores neste casamento, inclusive em tecidos, não só em flores, temos toalhas azuis, verdes, cru, guardanapos mostarda, flores e objetos coloridos, estampas,... Lendo assim parece uma bagunça, né? E eu nem diria que a primeira coisa que alguém diria ao ver as fotos desse casamento seria que ele era colorido, não acham? 

Então, o tom das cores, a linha condutora do verde, dos materiais naturais, a riqueza das texturas se somam a diversidade de cores para transmitir uma percepção visual agradável, coerente, remetendo mais a alegria, a natureza, a atemporalidade, ao aconchego.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aqui ainda estávamos na montagem, o tapete está levantado mas as foto capta tão bem a difercidade de materiais, cores e texturas que deixei.

 

 

Lembram que falei das nossas âncoras? A Valen antes do casamento descansou, foi iluminar a Stella e o Franco lá do céu, ela obviamente esteve presente, e esteve também por várias partes do casamento, no aparador da cerimônia com a coroinha de flores pensada e feita para ela, nas fotos da estante dos afetos e doces, e no bolo. 

 

 

 

Reparem a diversidades de texturas naturais, madeira, linho, crochê. Tem cor, tem alecrim, tem outros temperos nas mesas. Impossível não sentar neste casamento e não sentir que está sendo abraçado, é sentir no toque o natural, sentir o aroma dos temperos, ver os galhos, a madeira,... 

 

 

 A noite chega e o cenário ganha novos contornos, isso é tão tão lindo e importante!! Fundamental pensar na decoração e na funcionalidade da festa em todas as variações que ela sofrerá. Para não atrapalhar de dia, e valorizar, transformar e direcionar a noite. O jantar foi ao entardecer, então esses fachos de luz ganharam destaque justamente quando os noivos e seus pais já estavam circulando, antes eles bloqueariam o efeito e, assim, a mesa 'vazia' passou a ser mais um elemento estético a noite. 

 

 

 

Este espaço pela sua localização fica mais escondidinho, durante o dia os fios pendentes aparecem mais como fios que como luzinhas, mas não pesava visualmente pela sua localização estratégica. A noite vem e ele literalmente brilha, cresce, convida todos para que entrem na parte interna da festa, que propositalmente está próximo da pista, assim 'naturalmente' a festa se dirige para este ambiente, para este novo momento. Vejam, fazemos os convidados irem naturalmente caminhando pelo espaço, fazemos que a evolução da festa aconteça por decisões de layout que podem parecer puramente estéticas. Importante dizer que tal cenário estava próximo da pista mas não super perto para que as luzes da pista não interferissem no efeito das luzinhas e vice e versa. 

 

 

Funcionou!! 

 

 

 

 

Ficha técnica

 

Projeto, planejamento, organização, cerimonial e amor, @gabrielaschneiderwp , essa que vos fala hehee.

Local: Alto da Capela

Fotos: Marcelo Andrade

Video: Finger Vídeo

Vestido: Atelier Eduarda Galvanier

Móveis: Locare

Flores: AmoreMio

Iluminação e sonorização: Powersound

Luzinhas: Junior Zanini

Buffet: ChefLúcio Gastronomia

Beleza da noiva: Helena Tzovenos

 

 

Please reload

Posts Relacionados

Vamos conversar?                       

contato@gabrielaschneider.com       Tel 51 - 98128.4220

@2017 by KDZ Web Sites